segunda-feira, 3 de maio de 2010

JPT Scare Band

JPT Scare Band

A biografia da banda, que segue, em tradução livre do inglês, foi escrita por Eduardo Rivadavia para o site allmusic.
Considerando que no século 21 qualquer adolescente de 12 anos de idade, com um laptop e uma página no MySpace, pode fazer música e ser ouvido por milhões de estranhos, nos dias de pré-Internet artistas e bandas podiam trabalhar e promover a sua música durante anos a fio sem fugir do anonimato absoluto, pouco importando se torciam o nariz para as gravadoras. Esta é a história (entre muitos outros grupos) da JPT Scare Band, de Kansas, que foi formada em 1973 por três amigos – o vocalista e guitarrista Terry Swope, o baixista Paul Grigsby e o baterista Jeff Littrell –, que simplesmente adoravam fazer jam por horas e horas, inspirados pelo hard rock psicodélico da Cream, da Blue Cheer e da Jimi Hendrix Experience. Embora eles logo percebessem que a sua relação musical simbiótica era algo especial e, conseqüentemente, registrassem os melhores frutos do seu trabalho no gravador, a JPT Scare Band (nomeada com as iniciais dos nomes dos seus integrantes, obviamente, acrescida do assustador tamanho das suas jam de acid rock) nunca conseguiu o estrelato, permanecendo como uma devotada banda de porão. Seus informais registros em gravadores de rolo eram tão obscuros e tão pouco divulgados que, na verdade, o grupo provavelmente teria sido esquecido totalmente se não fosse um par de antropólogos de hard rock da Monster Records (comentário meu: deve ser uma ironia do biógrafo com relação à obscuridade da banda, porque, vamos convir, antropólogos caçadores de talentos, a serviço de uma gravadora, não é uma coisa muito comum), que os rastreou no início dos anos 90 e reuniu suas destacadas gravações dos anos 70, lançando-as em dois discos de vinil, com edição limitada, “Acid Acetate Excursion” e “Rape Of Titan’s Sirens”, e posteriormente no CD “Sleeping Sickness”, de 2000. Essas edições foram muito bem recebidas e avidamente disputadas por colecionadores de hard rock dos anos 70, mas quando os membros da JPT Scare Band – ainda amigos e ainda tocando jams depois de todos esses anos, acreditem ou não – pediram para a Monster Records liberar algumas músicas novas suas, a gravadora negou, quebrando, pouco depois, por conveniência, o contrato, o fato motivou os roqueiros a tomar as rédeas do negócio. Lançando seu próprio website e seu próprio selo, Kung Bomar, a JPT Scare Band prontamente lançou um novo disco, “Past Is Prologue”, em 2002, misturando antigo e recente material – então seguidos de álbuns novos em folha, “Echoes Of The Everland” (2006) e “Jamm Vapor” (2007) (comentário meu: as informações não fecham com a discografia da banda apontada no site oficial do grupo, que é a seguinte, em ordem cronológica [somentes os CDs]: "Sleeping Sickness", de 2000, "Blazing Basement", de 2001, "Manheim Mayhem", de 2001, "Past Is Prologue", de 2002, "Echoes Of Everland", de 2006, "Jamm Vapour", de 2007, "Sleeping Sickness [re-issue]", de 2009, e "Rundum Daddy", de 2009), com a promessa de que mais material dos anos 70 ainda está por vir.
Para quem deseja conhecer melhor a banda, visite esta página, onde inclusive há um link que conduz a uma entrevista com os membros da JPT Scare Band, tudo em português. Em inglês, clique aqui para acessar o site oficial do grupo.

Embora o site oficial da JPT Scare Band informe, como dito em nota inserida na biografia da banda, acima, que o grupo gravou oito CDs, somente os quatro aqui disponibilizados, tanto quanto se sabe, foram comercializados (nenhum outro encontra-se à venda, nem mesmo no próprio site da banda).















(2002) Past Is Prologue


Tracks:
1. Burn In Hell (8:28)
2. I’ve Been Waiting (8:58)
3. Wino (9:05)
4. Sleeping Sickness (13:43)
5. Time To Cry (12:59)
6. Titan’s Sirens (4:35)
7. Jerry's Blues (12:50)
8. It’s Too Late (Revisited) (1:22)





















(2007) Jamm Vapour


Tracks:
1. Amazons (9:25)
2. Ramona (6:52)
3. Rainbow Bridge (7:45)
4. Right Mind (8:20)
5. Don't Count Me Out (8:31)
6. Gello Jam (11:09)
7. Hungry For Your Love (9:36)





















(2009) Sleeping Sickness
(*)

Tracks:
1. Sleeping Sickness (15:17)
2. Slow Sick Shuffle (7:13)
3. King Rat (13:17)
4. It's Too Late (5:31)
5. Acid Acetate Excursion (6:58)
6. I've Been Waiting (12:12)
7. Time To Cry (12:43)
(*) O disco é relançamento do CD lançado em 2002, com outra capa





















(2009) Rundum Daddy


Tracks:
1. You Don't Wanna Know (6:35)
2. Rat Poison For The Soul (6:11)
3. Rumdum Daddy (7:06)
4. Intro/E Minor Exploration/Theme From The Monster's Holiday (13:51)
5. I've Been Waiting (9:26)
6. Bit Of A Minor Jamm (9:20)
7. Bookends Jamm (5:42)








Todas as músicas foram compostas pela banda.

Personnel
(em todos os discos):
Terry Swope: Guitar, Vocals
Paul Grigsby: Bass
Jeff Littrell: Drums

5 comentários:

woody disse...

Cara, confesso minha total ignorância com relação a essa banda! Mas como sou chegado em hard rock setentista e vc ainda diz que quem gostar disto, poderá gostar tb de Luther Allison, The Sensational Alex Harvey Band e The Ford Blues Band, três nomes da minha mais alta consideração, vou arriscar um teste drive começando por Sleeping Sickness.

Abraço,
WOODY

dugabowski disse...

Woody, na verdade, tudo se resume a uma questão de gosto. É claro que, se eu postei a banda, é porque gostei do som dela, o que não significa, é claro também, que tu venha a compartilhar do meu gosto. Mas, sinceramente, torço para isso, e só posso fazer isso. Quanto às sugestões que aparecem ao final da postagem, são feitas automatica e aleatoriamente pelo próprio programa (gadget). Então, é possível inexistir uma identificação muito grande entre o post e as recomendações. Um abraço.

woody disse...

Só para dizer.
Me amarrei no som, tudo haver!
Vou baixar os outros tb.

Abraço,
WOODY

dugabowski disse...

Fico contente com isso, Woody. Um abraço.

LuizHQR disse...

Boa tarde meu caro dugabowski. Gostaria de saber se você ainda tem esses arquivos para repassar. Os links expiraram, direcionam para baixar o ilivid...
Se tiver me avisa.
Muito obrigado